Geral Maranhão

Emserh inicia segunda turma do Programa Jovens Aprendizes

Segunda turma de jovens aprendizes é formada por 100 jovens entre 18 e 22 anos que irão trabalhar em unidades de São Luís e Imperatriz.

19/11/2021 às 17h15
Por: Redação Fonte: Secom Maranhão
Compartilhe:
 <em>Segunda turma de jovens aprendizes é formada por 100 jovens entre 18 e 22 anos que irão trabalhar em unidades de São Luís e Imperatriz (Foto: Divulgação)</em>
Segunda turma de jovens aprendizes é formada por 100 jovens entre 18 e 22 anos que irão trabalhar em unidades de São Luís e Imperatriz (Foto: Divulgação)

A Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) recepcionou, nesta sexta-feira (19), os jovens da segunda turma do Programa Jovem Aprendiz, que atuarão em unidades da rede da Secretaria de Estado da Saúde (SES). O programa de aprendizagem busca inserir jovens no mundo do trabalho, contribuindo para a sua formação pessoal e profissional. A solenidade aconteceu no auditório do Laboratório Central do Maranhão (Lacen).

A segunda turma de jovens aprendizes é formada por 100 jovens entre 18 e 22 anos. São 75 que irão atuar na área administrativa em serviços de saúde em São Luís e 25 em Imperatriz, além disso existe um cadastro reserva para o município de Caxias. Na capital, os jovens atuarão em 23 serviços de saúde e 4 em Imperatriz.

As boas-vindas aos jovens foi feita pelo presidente da Emserh, Marcos Grande. “A Emserh contribui com esse processo de incluir jovens no mercado de trabalho, mas também ajuda a sociedade, garantindo a inclusão social desses jovens. A partir desta inserção, permite que o jovem crie e trilhe esse vínculo empregatício não só nas nossas unidades de saúde, mas também no mercado de trabalho. Sei que estamos contribuindo com a sociedade maranhense de várias formas, com justiça social e oportunidade”, reforçou.

O Programa Jovem Aprendiz nasceu da necessidade de inserir jovens no mercado de trabalho, contribuindo para a formação pessoal e profissional. O Programa, que teve início em 2019 com a formação da primeira turma, tem o objetivo ainda de contribuir para o desenvolvimento social e profissional do jovem, mediante atividades teóricas e práticas executadas no ambiente de trabalho. Além disso, garante o aumento da renda familiar, o interesse pelos estudos e inclusão na sociedade.

“É um programa para estimular o primeiro emprego, que a Emserh abraça com muito carinho, os jovens vão trabalhar nas nossas unidades prestando serviços administrativos, com programação compatível com a carga horária deles, não vai interferir nos estudos. É um apoio inclusive para evitar a evasão escolar. Nesta segunda turma ampliamos, era somente na capital e agora também expandimos para o interior”, explicou Janyr Carvalho, diretora de Recursos Humanos da Emserh.

Uma das jovens aprendizes é a estudante Liziane Geovana Constantino Chanches, que atuará no Centro de Saúde Genésio Rêgo, na Vila Palmeira. “Eu quero muito seguir a área médica, eu sempre admirei os profissionais da área da saúde e quero me tornar uma e vou conseguir. Pretendo ser um dia uma referência e exemplo para várias pessoas que querem seguir nessa área e acredito que essa seja uma oportunidade imensa para mim. Fiquei muito surpresa de ter sido admitida e pretendo dar o meu melhor para a Emserh e também para o meu crescimento intelectual”, disse, animada, a jovem aprendiz.

Outro jovem que também quer aproveitar a oportunidade é o Lucas Silva Sales Jansen, que vai trabalhar no Hemomar. “Acredito que nós estamos em primeiro lugar para aprender, mas também sabendo que podemos colaborar de forma intelectual com os saberes que já temos acumulado. Eu entrei na perspectiva de sair um profissional melhor do que eu estou entrando, vou sair com uma grade de sabedoria e claramente com a certeza de ter contribuído com a empresa”, disse.

O jovem aprendiz Lucas Silva Sales Jansen vai trabalhar no Hemomar (Foto: Divulgação)

Antes da parte prática, os jovens aprendizes passarão por aulas teóricas, ministradas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), o que vai colaborar na preparação dos estudantes. 

“A gente tem um banco de oportunidades que faz o monitoramento daqueles jovens que foram efetivados, que ficaram no mercado de trabalho, após a qualificação profissional, cumprindo o programa de aprendizagem. A maioria dos nossos jovens fica nas empresas. Dificilmente as empresas não contratam esses jovens até porque estão investindo em uma qualificação profissional”, pontuou Talita Avelar, supervisora educacional do Senac.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários