Saúde Maranhão

Governo intensifica atividades de combate ao mosquito Aedes no Maranhão

A eliminação das fases ovo e larva e a pulverização de inseticida que elimina o mosquito na fase adulta são métodos eficazes no controle da proliferação do Aedes aegypti.

18/11/2021 às 18h00
Por: Redação Fonte: Secom Maranhão
Compartilhe:
SES atua na intensificação do combate ao mosquito Aedes nos 217 municípios maranhenses. (Foto: Marcio Sampaio)
SES atua na intensificação do combate ao mosquito Aedes nos 217 municípios maranhenses. (Foto: Marcio Sampaio)

O Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), anunciou, nesta quinta-feira (18), a intensificação das atividades de prevenção à dengue, zika, chikungunya e febre amarela, arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. As ações de controle acontecerão de 22 de novembro a 3 de dezembro em todos os 217 municípios maranhenses. 

“Será um período para a conscientização e cooperação dos municípios quanto às ações de combate. Com a proximidade das chuvas, é importante fazer esse reforço no cuidado contra as arboviroses, além de ser uma oportunidade para estimular a corresponsabilidade do cidadão na promoção e prevenção da saúde”, disse a secretária adjunta da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Waldeise Pereira. 

Com o tema “Faça a sua parte na luta contra o mosquito”, os municípios maranhenses deverão ampliar as ações de controle do mosquito transmissor. Dentre as diferentes formas de controle da proliferação do Aedes, duas apresentam resultados eficazes: a eliminação das fases ovo e larva e a pulverização de inseticida que elimina o mosquito na fase adulta.

No estado, segundo dados do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), 18 cidades apresentam alto risco de dispersão do mosquito. Em sete delas, o uso de carros fumacê com a pulverização de inseticida começará neste fim semana: Arari, Matões do Norte, Miranda do Norte, São Raimundo das Mangabeiras, Parnarama, Vitorino Freire e Peritoró. 

De acordo com a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Tayara Pereira, a prevenção faz a diferença. “A nossa proposta é que as mobilizações sejam executadas em um período de 15 dias, tendo como principal colaboradora a sociedade. Ao destruir os focos do mosquito, também estaremos cuidando do perímetro doméstico. Com o descarte correto do lixo, evita-se o adoecimento pelas arboviroses”, pontuou.

Superintendente Tayara Pereira reforça que proposta é que as mobilizações sejam executadas em um período de 15 dias. (Foto: Marcio Sampaio)

Casos

Do início do ano até 6 de novembro, o Maranhão registrou 934 casos de dengue, 62 de chikungunya e 13 de zika. Em 2020, o estado notificou 1.764 casos de dengue, 104 chikungunya e 91 de zika. As prefeituras também deverão promover atividades para controle do mosquito.

A coordenadora do Programa Estadual do Controle das Arboviroses da SES, Graça Lírio, observou que é fundamental o trabalho conjunto entre estado e municípios. “Nos anos de 2019 a 2021, o Maranhão não sofreu epidemias de arboviroses. Contudo, os últimos levantamentos identificaram um leve crescimento de casos. Apesar de o cenário ser considerado de baixa incidência, não podemos nos acomodar, para isso a sociedade e o poder público devem caminhar juntos”, disse. 

Graça Lírio defendeu a união de esforços no combate ao Aedes no estado. (Foto: Marcio Sampaio)

Segundo levantamento recente do LIRAa, os 18 municípios com maior risco de dispersão do mosquito são: Miranda do Norte, João Lisboa, Peritoró, Sucupira do Norte, Cidelândia, Bom Jesus das Selvas, Vitorino Freire, Arari, Matões do Norte, Senador Alexandre Costa, Fortuna, Guimarães, Tuntum, Parnarama, Jatobá, Gonçalves Dias, São Raimundo das Mangabeiras e Fortaleza dos Nogueiras. 

Cuidados

Para prevenção do combate ao mosquito Aedes, o Programa Estadual do Controle das Arboviroses da SES recomenda manter fechados os recipientes que acumulam água limpa, como tonéis, caixas e barris. Além disso, lavar tanques semanalmente com água e sabão, limpar as calhas para não criar poças d’água, bem como encher pratinhos de vasos com areia até a borda ou lavá-los semanalmente. 

Algumas outras medidas também são necessárias, como trocar água dos vasos e plantas, bem como dos potes onde os animais domésticos fazem uso. No momento do descarte, sobras em sacos plásticos em lixeiras fechadas, manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo e guardar pneus em locais cobertos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários